Presidente do V. Guimarães critica impreparação do Governo sobre problemas do futebol

O presidente do Vitória de Guimarães criticou hoje a impreparação do Governo sobre os problemas do futebol, admitindo que a adoção do cartão do adepto no acesso a recintos desportivos “não é adequada para os resolver”.

O presidente do Vitória de Guimarães criticou hoje a impreparação do Governo sobre os problemas do futebol, admitindo que a adoção do cartão do adepto no acesso a recintos desportivos “não é adequada para os resolver”.

“A Liga recebeu um ofício dos secretários de Estado da Administração Interna e do Desporto a dizer que há uma dispersão inabitual dos adeptos no estádio, que resulta da pandemia com que estamos confrontados e da escassez do cartão do adepto, com a solução a passar por mais policiamento. Isso é de quem não sabe o que é o futebol, não está preparado para lidar com ele e desconsidera o adepto”, vincou Miguel Pinto Lisboa, no final da cimeira de presidentes da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP).

A criação do cartão do adepto decorreu de recentes alterações ao regime jurídico da segurança e combate ao racismo, à xenofobia e à intolerância nos eventos desportivos, tendo a respetiva portaria sido publicada em Diário da República em junho de 2020.

“Estamos contra o cartão do adepto. Entendemos que é uma medida que tem o objetivo de corrigir uma situação, mas está mal desenhado e tem malefícios para o futebol. Foi um tema que trouxemos à cimeira, não foi muito discutido, mas é transversal a todos os clubes. É importante a Liga ter uma resposta firme perante o ofício que recebeu”, notou.

Válido por três anos e em vigor a partir desta época, o cartão pode ser requisitado por qualquer pessoa acima dos 16 anos e concede acesso em competições profissionais ou consideradas de risco elevado a zonas geralmente associadas à presença de claques e destinadas à utilização de bandeiras, tarjas, instrumentos sonoros e outros acessórios.

“Temos de acabar com a generalização das interdições dos estádios, que prejudicam não só os clubes, mas o próprio fenómeno. Se queremos ter uma centralização de direitos televisivos, é para tirar mais valor. A proibição de as famílias irem ao espetáculo não contribui para a valorização da nossa indústria”, reiterou Miguel Pinto Lisboa.

Segundo uma nota divulgada pelo Governo há um ano, a nova medida vai favorecer “o registo e a identificação dos seus titulares para efeitos de dimensionamento e de gestão do acesso às zonas com condições especiais de acesso e permanência de adeptos”.

O cartão, cuja aplicação foi adiada uma época devido aos efeitos da pandemia de covid-19 e efetivou-se em 2021/22, ajudará ainda “à verificação em tempo útil das decisões judiciais e administrativas que impeçam determinadas pessoas de aceder aos recintos”.

“Essas medidas podem ter um fim positivo, que é identificar quem traz comportamentos nocivos ao espetáculo, mas têm de ser feitas de forma que não condicionem a adesão. É inadmissível termos um cartão que proíbe os menores de 16 anos de irem a um espetáculo desportivo. O futebol é um espetáculo para as famílias. O adepto do futebol não pode ser discriminado face a um adepto de um outro espetáculo qualquer”, finalizou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here