PME do Norte com novos fundos 2020 para reforçar comércio internacional

Com candidaturas até 31 de outubro, o regulamento do concurso prevê que cada projeto apoiado tenha como limite mínimo de despesa elegível 25 mil euros.

A autoridade de gestão do programa comunitário Norte 2020 lançou um novo concurso, com um total de 15 milhões de euros, destinado a empresas já exportadoras da região que queiram reforçar o comércio internacional de bens e serviços.

“Esta oportunidade de financiamento valoriza em particular a adoção do comércio eletrónico como ferramenta de internacionalização assente em estratégias de e-commerce e de transformação digital”, explica a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), responsável pela gestão do programa, na página oficial do Norte 2020.

“Considera elegíveis ações que apostem num melhor conhecimento de mercados externos, na presença em websites e plataformas eletrónicas, na promoção internacional de marcas ou em certificações específicas para mercados externos”, acrescenta.

O objetivo do concurso “consiste em promover a aceleração das exportações portuguesas, incrementando o volume das vendas internacionais das empresas que já exportam e que por essa via oferecem maiores garantias de desempenho rápido”, concedendo incentivos a projetos que “reforcem a capacitação empresarial das PME para a internacionalização”, valorizando a adoção do comércio eletrónico.

O objetivo final, pode ler-se no aviso do concurso, consistirá em “reforçar a competitividade das empresas, promover o aumento da exportação de produtos com alta intensidade tecnológica, como também incentivar cada vez mais a inserção nas cadeias de valor internacionais, reconhecendo a sua importância para a criação de mais emprego e mais riqueza”.

As candidaturas podem ser apresentadas até 31 de outubro e a data prevista para comunicação da proposta de decisão está agendada para 07 de fevereiro de 2019.

Gerido pela CCDR-N, e aprovado em dezembro de 2014, o Norte 2020 conta com 3,4 mil milhões de euros de verbas comunitárias, sendo que quase metade do valor (1,26 mil milhões de euros) se destina à competitividade de micro e pequenas empresas da região.