Portugal ocupava em 2020 a última posição do ‘ranking’ de literacia financeira dos 19 países da zona euro, segundo um gráfico do artigo “A comunicação do BCE com o público em geral”, publicado hoje pelo Banco Central Europeu (BCE).

gundo o gráfico, com dados de 2020, do artigo hoje publicado no boletim económico do BCE, no topo do ‘ranking’ estão os alemães, holandeses e finlandeses e na base estão os portugueses, cipriotas e italianos.

O gráfico mostra o nível de literacia financeira do público em geral em cada um dos 19 países da zona euro.

Vinte e cinco por cento dos portugueses, 35% dos cipriotas e quase 40% dos italianos responderam corretamente a pelo menos três das cinco perguntas, em comparação com 65% dos alemães e holandeses.

As perguntas estavam relacionadas com temas como a diversificação do risco, inflação, aritmética e juros compostos.

Os economistas do BCE dizem que a comunicação dos bancos centrais tradicionalmente estava dirigida principalmente a especialistas, tais como os participantes do mercado financeiro, mas recentemente “têm feito mais esforços para chegar a um público não especializado mais vasto”.

Definem o público em geral como o público não especializado e organizações profissionais representativas tais como associações empresariais, sindicatos, grupos políticos, etc.

O interesse do público em temas relacionados com o BCE também varia muito de país para país, embora o principal interesse seja a política monetária.

Em Itália e Espanha, o interesse em assuntos relacionadas com a supervisão bancária é muito maior do que em países como a Alemanha e os Países Baixos.

E a discussão sobre o mandato e a responsabilidade do BCE é mais comum na Alemanha e em França do que noutros países.

A televisão (81%) é o principal canal através do qual o público recebe notícias sobre o BCE, seguida da imprensa escrita, imprensa na Internet, rádio e informação recebida através dos círculos sociais das pessoas, de acordo com dados de um inquérito Knowledge & Attitudes (K&A) em maio de 2021.

Mas poucas pessoas recebem notícias sobre o BCE nas redes sociais.

O canal de rede social mais popular é o Facebook (14%), seguido do Twitter e LinkedIn.

Os economistas do BCE sublinham que a comunicação do BCE é mais complexa do que a de outros bancos centrais porque tem de comunicar em muitas línguas.

O BCE comunica em 24 línguas a 340 milhões de cidadãos em 19 países e tem de ter em conta os diferentes níveis de literacia financeira entre os países da zona euro.

O BCE considera que a legibilidade da nova “declaração de política monetária” do BCE melhorou significativamente em comparação com a anterior “declaração preliminar” e que a infografia da declaração de política monetária introduz um nível de comunicação mais acessível que lhe permite chegar melhor ao público em geral.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here