INVESTIMENTO DA AUTARQUIA DE CERCA DE 200 MIL EUROS

O Presidente da Câmara Municipal de Ponte da Barca, Augusto Marinho, visitou as obras levadas a cabo no espaço exterior ao museu do quartzo, junto ao Santuário da Nossa Senhora da Paz.

A acompanhar o autarca barquense estiveram o Presidente da União de Freguesias, Paulo Sousa, o Presidente da Confraria da Nossa Senhora da Paz, José Sousa, assim como os restantes membros desta instituição religiosa, que estavam visivelmente satisfeitos com a conclusão da empreitada que consideram “ter dignificado ainda mais aquele espaço integrado num local de culto religioso”.

A empreitada de beneficiação do exterior do edifício do museu contemplou a criação de canteiros que definem os espaços de percurso que direcionam aos vários elementos pré-existentes a manter como uma figura religiosa e um busto, percursos que culminam numa pequena zona de miradouro com um banco que permite a contemplação da paisagem.

Foi ainda criada uma zona de estacionamento para autocarros, assim como uma zona de descarga de passageiros e uma área de bancos que permitem o repouso dos visitantes, isto depois de já ter sido, também, construída uma nova área de lazer para merendas.

O autarca de Ponte da Barca, Augusto Marinho, salientou que com esta beneficiação “proporcionamos aos peregrinos e visitantes um maior usufruto deste espaço, um local religioso de culto, cuja intervenção se insere na nossa estratégia de promoção do Turismo religioso”.

Depois destes arranjos exteriores, é intenção da Câmara Municipal dar inicio às obras de requalificação do museu do quartzo, onde se encontra a maior coleção de cristais de quartzo do país, com centenas de exemplares que podem ser vistos tanto no interior do museu assim como no seu exterior.

É também em Ponte da Barca que existe uma das maiores pedras de quartzo cristalizada da Península Ibérica com 2 metros e 52 centímetros de comprimento, 1,25 metros de altura e três toneladas de peso e, desde maio de 1971, que serve como altar na cripta da capela dedicada à Nossa Senhora que terá aparecido naquele preciso local, 10 e 11 de maio de 1917, testemunhadas pelo pastorinho Severino Alves.