Um bis de Paulinho na reta final da partida permitiu ao Sporting de Braga virar o resultado e vencer (2-1), este domingo, o Tondela na 16.ª jornada da Liga disputada no Estádio Municipal de Braga.

A formação viseense adiantou-se no marcador aos 37 minutos, através do venezuelano Jhon Murillo, mas os arsenalistas ainda conseguiram a cambalhota no marcador, com os dois golos de Paulinho, que chegou aos sete tentos na Liga.

Com esta vitória, os bracarenses isolaram-se no quinto posto da prova com 24 pontos, enquanto a equipa de Tondela fecha a jornada no 10.º lugar com 19.

Declarações de Rúben Amorim, treinador do Sp. Braga, na sala de imprensa do Estádio Municipal de Braga, após o triunfo (2-1) frente ao Tondela naquele que foi o seu jogo de estreia na pedreira:

«Sabíamos que ia ser um jogo complicado, o Tondela é muito forte fora de casa. Apresentaram-se com cinco defesas, tiraram-nos o espaço e não conseguimos criar esse espaço. No fundo, não houve diferença da primeira para a segunda parte. Sabíamos que é complicado fechar os espaços o jogo todo, acredito nisso. Começaram chegar tarde ao Galeno, ao Trincão, ao Paulinho e isso facilitou o nosso jogo. Tivemos sempre o controlo, o golo deles é uma falha nossa. Vitória inteiramente justa, com um sabor especial, fortalece o grupo mas vale exatamente os mesmos pontos do triunfo sobre o Belenenses».

[Falta de agressividade ofensiva e assobios dos adeptos?] «Há muita coisa a trabalhar, a impaciência dos adeptos é normal. Os jogadores vão perceber que podem fazer o mesmo tipo de passe com uma pancada diferente na bola. Esta é a nossa ideia e os jogadores têm de a seguir, aliás, se não a seguirem não jogam. Conheço o público do Braga, a exigência, o meu foco foi manter essa forma até ao fim. Foi o que fizemos e acabamos por ganhar o jogo».

Declarações de Natxo González, treinador do Tondela, na sala de imprensa do Estádio Municipal de Braga, após a derrota (2-1) frente ao Sp. Braga, num jogo em que esteve a vencer num longo período de jogo:

«É uma mescla de sensações, o resultado é o importante, é o que permite somar pontos. É uma pena, porque estávamos perto de fazer algum ponto, mas fico satisfeito com a atitude da equipa num campo difícil, com um adversário com grande qualidade individual. O desgaste nos momentos finais custou-nos o jogo, mas estou satisfeito e tiro conclusões positivas».

«É difícil sobreviver a 50 minutos continuamente na nossa área, com muita bola aérea, é muito difícil. Caímos no erro de procurar sempre a transição rápida e, à medida que passam os minutos, tens de procurar mais a pausa, se não queres correr e não consegues. É uma pena, mas, não posso pedir mais».

Veja aqui os melhores momentos da partida: