A maioria dos estudantes que participou num inquérito nacional disse ter sido vítima de ‘ciberbullying’ durante a pandemia, um problema que afetou mais os rapazes, os jovens de famílias com menos rendimentos e os estudantes gays e lésbicas.

Quando as escolas encerraram e as aulas presenciais foram substituídas pelo ensino à distância, uma equipa de investigadores do Centro de Investigação e Intervenção Social do ISCTE tentou perceber se havia um aumento de casos de ‘ciberbullying’.

A maioria dos estudantes que participou num inquérito nacional disse ter sido vítima de ‘ciberbullying’ durante a pandemia, um problema que afetou mais os rapazes, os jovens de famílias com menos rendimentos e os estudantes gays e lésbicas.

Quando as escolas encerraram e as aulas presenciais foram substituídas pelo ensino à distância, uma equipa de investigadores do Centro de Investigação e Intervenção Social do ISCTE tentou perceber se havia um aumento de casos de ‘ciberbullying’.

Através de um inquérito ‘online’, a maioria dos estudantes (61,4%) admitiu ter sido vítima entre os meses de março e maio de 2020, contou à Lusa a investigadora Raquel António, que lidera a equipa do Instituto Universitário de Lisboa.

Os estudantes do sexo masculino, aqueles que pertencem a famílias com rendimentos familiares mais baixos e os estudantes gays ou lésbicas foram as principais vítimas.

As consequências de sofrer ‘bulliyng’ traduziram-se em “sentimentos de tristeza, sentirem-se mais irritados ou nervosos”, contou Raquel António.

Outra das questões do inquérito estava relacionada com a perceção do aumento de casos e a maioria dos alunos (59%) sentiu, precisamente, que houve mais mensagens com conteúdos prejudiciais e violentos.

Quase nove em cada dez admitiu ter observado situações de ‘bullying’ ‘online’, mas apenas metade disse ter atuado para impedir a continuidade da agressão, ainda segundo os resultados do estudo “Cyberbullying em Portugal durante a pandemia do Covid-19”.

Os alunos que disseram ter agido perante um caso de bullying explicaram que a solução passou por dar apoio à vítima, aconselhar a expor a situação a alguém de confiança ou tentar perceber a gravidade do bullying cometido.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here