O clube fundado a 19 de janeiro de 1921, pelas mãos de Celestino Lobo, Carlos José de Morais, os irmãos Carvalho, Eurico Sameiro, Costinha, João Gomes e Joaquim de Oliveira Costa disputou o seu primeiro jogo no campo do Antigo Colégio de Espírito Santo, frente à equipa do Algés e Dafundo.

Tudo começa no emblemático Café Vianna e na vontade de um grupo de rapazes bracarenses em terem o seu próprio clube de football. Contagiados pela paixão dos ingleses que viviam no Porto e que levavam jogos ao afamado Campo das Goladas, a cidade associa-se timidamente ao desporto-rei. 

Liberdade Futebol Clube, o Sport Clube de Braga e Estrela Sport Clube são coletividades que aparecem e desaparecem, como se o interruptor do jogo não parasse, inquieto. Nascem projetos, morrem projetos, até que em 1921 a formalização do Sporting Clube de Braga é feita junto do Governo Civil da cidade. 

A data, como tantas vezes nestas ocasiões, não é pacífica. Historiadores do fenómeno remetem para 1914 o ano da fundação, outros falam em 1919 e da oportunidade criada pelo final da I Guerra Mundial. Rumores, recortes de jornais da época, mas tudo sem um fio condutor. Certa é, de facto, a data de fundação em 1921, 19 de janeiro. 

Em 1950, o clube inaugura o clássico estádio “1.º de Maio”, aumentando a audiência dos jogos para uma capacidade de 40.000 espectadores. Na década de 50 o SCB bateu-se na primeira divisão, com mais resistência do que êxito, para, em 1961, voltar a cair à Segunda Divisão Nacional.

Em 1964, quando o Braga volta a primeira divisão e vence, passado dois anos, a Taça de Portugal, apurando-se para a Taça das Taças, a sua primeira competição internacional.

Os loucos “60´s” terminam, para o Braga, com a despromoção à Segunda Divisão, no final da década, arrastando-se até 1975. Em 76 a recuperação e o Braga assumiu o seu papel permanente na Primeira Divisão Nacional.

Até ao final do século o SCB bateu-se na Primeira Divisão, com mais ou menos sucesso, mas alcançou um estatuto notável, que se viria a reforçar nos próximos anos. Em 1998 deu-se uma importante mudança na organização do Braga, com a transformação do clube em Sociedade Anónima Desportiva (SAD).

A direção agora presidida por António Salvador volta ao Café Vianna nesta terça-feira, de forma a descerrar uma placa comemorativa pelos 100 anos de existência, depois do habitual hastear da bandeira na Cidade Desportiva dos arsenalistas.