Vitória desperdiçou duas vantagens

O Vitória falhou a aproximação ao 5.º lugar da I Liga, ao empatar, esta noite, com o Farense (2-2), no encontro em atraso da 14.ª jornada, inicialmente marcado para 16 Janeiro. Foi o quarto jogo consecutivo sem vencer da equipa comandada por João Henriques, que leva agora três empates e uma derrota nas derradeiras rondas do campeonato.

O Vitória adiantou-se no marcador com um golo apontado por Pepelu. O espanhol, que joga em Guimarães por empréstimo do Levante, apontou o seu primeiro golo na I Liga aos 14 minutos.

A vantagem durou pouco tempo, uma vez que Ryan Gauld restabeleceu o empate aos 21 minutos, na conversão de um penálti. O lance, polémico, resultou de uma pretensa falta de Jorge Fernandes sobre Madi Queta. 

A reacção vitoriana resultou no segundo golo ainda antes do intervalo. O 2-1 surgiu aos 36 minutos e foi da autoria de Marcus Edwards, uma das novidades no 11 que João Henriques apresentou para esta partida.

Numa segunda parte em que esteve grande parte do tempo em superioridade numérica, depois do vimaranense Alex Pinto ter sido expulso por acumulação de cartões amarelos, o Vitória consentiu o segundo golo, da apontado pelo avançado Stojiljkovic, aos 79 minutos.

Na próxima jornada da I Liga, a 20.ª, o Vitória desloca-se a Paços de Ferreira para defrontar um adversário directo na luta pelos lugares que dão acesso às competições europeias. A formação da Capital do Móvel, recorde-se, soma mais três pontos que os vitorianos. O jogo realiza-se no domingo, pelas 15 horas.

Declarações de João Henriques, treinador do V. Guimarães, na sala de imprensa do Estádio D. Afonso Henriques, após o empate (2-2) na receção ao Farense:

[Falta de proatividade após a expulsão foi determinante?] «Não concordo. Se me dissesse que na primeira parte começámos menos bem é verdade, ficámos à frente no marcador sem justificar, é verdade. Os últimos minutos já corresponderam ao que queríamos. Na segunda parte tivemos várias oportunidades para fazer o golo. Tivemos quinze remates, mas apenas três foram enquadrados. Na segunda parte a equipa fez o suficiente para tranquilamente chegar ao terceiro golo. Na primeira parte não entrámos bem, não pegámos no jogo, não estivemos agressivos. Depois a equipa reajustou-se e fez o que estava preparado. Na segunda parte sofremos um golo que não lembra a ninguém, mais um, praticamente na única situação do adversário, onde tivemos uma mão cheia de oportunidades claras e não estarmos sujeitos ao que nos sujeitamos. Culpa nossa, permitimos ao adversário permanecer no jogo, foi isso que falhou, não soubemos fazer o golo que nos permitiria ficar com os três pontos».

[Consistência defensiva posta em causa com cinco golos sofridos em dois jogos?] «Preocupa-me o tipo de golos que estamos a sofrer, sobretudo isso. Se olhássemos para o jogo e víssemos que o Vitória teve mérito exclusivo a fazer golos, mas nos cinco golos que sofremos foi mérito do adversário e demérito nosso, impensável para uma equipa que quer estar no grupo da frente. Aprender com erros faz parte do crescimento da equipa, mas não podemos estar sempre a prender. Estamos a facilitar demasiado, temos de perceber os momentos do jogo, hoje era fechar o jogo com o terceiro golo, ter tranquilidade com bola, perceber que estávamos a mais. Não vou falar mais de maturidade nem de crescimento, porque o crescimento tem de ser feito com competência e hoje fomos incompetentes. Há aqui gente que pensa que em determinados momentos está resolvido, depois levamos um soco e vemos que estamos mal. Estas coisas são muito penalizadoras. Temos de ser mais competitivos. Olhamos para a primeira volta e temos 31 pontos, mas perdemos pontos incríveis. Temos de continuar o nosso trabalho, tentar jogar mais e melhor mas mais equilibrados. Hoje facilitámos e pusemo-nos a jeito para que acontecesse o que aconteceu».

Declarações de Jorge Costa, treinador do Farense, na sala de imprensa do Estádio D. Afonso Henriques, após o empate conquistado (2-2) frente ao V. Guimarães:

«Depois de tudo o que aconteceu durante os noventa minutos, é evidente que este é um ponto positivo, conquistado com muita dedicação, com uma ponta de sorte, também faz parte, mas acima de tudo por uma equipa que deu o que tinha e o que não tinha e nunca deixou de acreditar. É um ponto importante para nós em Guimarães, perante uma equipa com objetivos diferentes, é um ponto benéfico e servirá como um tónico de confiança».

[Expulsão de Alex Pinto, estando Tomás Tavares emprestado pelo Benfica, deixa-o sem lateral direito para o jogo com os encarnados] «Saio com um problema para o lado direito da defesa que tenho para resolver, ainda assim posso ter jogadores recuperados e com dores boas de cabeça. Estou cá para arranjar soluções e terei de arranjar soluções para um jogo de grau de dificuldade elevado»

Veja qui os melhores momentos da partida:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here