A luz azul emitida pelos smartphones pode ainda aumentar o risco de incidência de outros problemas de saúde, tais como obesidade e distúrbios do sono.

nvestigadores no Instituto para a Sáude Global em Barcelona, Espanha, apuraram que o aumento da exposição a ecrãs à noite pode suprimir os níveis de melatonina – que atuam como um poderoso antioxidante no organismo. 

A melatonina ajuda ainda a regular os ciclos dia-noite e demasiada exposição pode interferir negativamente no ritmo circadiano do corpo. 

Tal afeta os níveis hormonais e potencia o desenvolvimento de alguns cancros – tais como da próstata e da mama, que estão correlacionados com variações hormonais. 

Para efeitos daquela pesquisa, os investigadores espanhóis analisaram os dados de dois mil participantes que viviam em Barcelona e em Madrid.

Os cientistas recorreram ao uso de imagens capturadas pela Estação Espacial Internacional (ISS) como forma de observarem os níveis de luzes azuis prevalecentes durante a noite nessas duas cidades. 

Os trabalhadores noturnos foram excluídos do estudo e os especialistas detetaram que os indivíduos que viviam em áreas com maior exposição a luz azul apresentavam um risco 60% mais elevado de desenvolverem cancro do cólon, comparativamente às pessoas menos expostas. 

Dos dois mil participantes examinados, 650 foram diagnosticados com cancro do intestino. 

Ao escrever no Epidemiology Journal, o coordenador do estudo, o cientista Manolis Kogevinas disse que a luz azul é emitida sobretudo através dos ecrãs dos smartphones, tablets e lâmpadas LED. 

Segundo Kogevinas, a potência da luz tem a capacidade de suprimir a melatonina presente no corpo humano após exposição constante e prolongada. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here