CDS terá de ser “oposição tão forte e eficaz” fora do Parlamento como foi dentro”, declara Nuno Melo

Os militantes do CDS-PP confirmaram Nuno Melo como presidente do partido para o próximo biénio 2022-2024, com 75% dos votos na lista única à Comissão Política Nacional. A oposição interna ao Conselho Nacional conseguiu 23 lugares no Conselho Nacional, que é composto por 70 membros. A votação foi este domingo de manhã, no segundo e último dia do 29º Congresso do partido, que se realiza em Guimarães

A lista A, de Nuno Melo, venceu a eleição para todos os órgãos do partido. A lista B era composta por elementos afetos a Francisco Rodrigues dos Santos que se uniram às candidaturas derrotadas para presidente do partido. Assim, para a Comissão Política Nacional, que é o órgão que preside ao partido, a lista de Nuno Melo concorreu sozinha e obteve 858 votos (75%). Houve 287 votos em branco.

No Conselho de Jurisdição, a lista A conseguiu 752 votos (69%) e cinco mandatos, enquanto a lista B alcançou 335 votos (31%) e dois mandatos. Para a Mesa do Conselho Nacional, onde também havia lista única, afeta a Nuno Melo, houve 809 votos (71%) na lista A e 336 (29%) votos em branco. Por fim, para a Mesa do Congresso, a lista de Nuno Melo venceu com 820 votos (72%) contra 324 (28%) da lista B.

Os resultados foram anunciados antes da tomada de posse e do discurso de consagração de Nuno Melo, que é este domingo de tarde. Entre os partidos com representação parlamentar, marcaram presença o PS, PSD, Chega, Iniciativa Liberal e Livre. O PAN, o PCP e o BE recusaram o convite. Pelo Governo, marcou presença a ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes. A embaixadora da Ucrânia marcou presença e foi ovacionada de pé. Refira-se, também, que o congresso adotou a cor amarela e juntou-a ao azul do CDS em homenagem às cores da bandeira ucraniana.