O SC Braga qualificou-se para a quarta eliminatória da Taça de Portugal ao vencer, este sábado, o Trofense por 1-2.

Galeno, aos 90+3 minutos, desatou o ‘nó’ de um jogo muito ‘suado’ para os bracarenses, por culpa própria, porque foram perdulários, com Paulinho em destaque, e muito devido a uma grande exibição do guarda-redes do Trofense, Serginho.PUBLICIDADE

Antes, Abel Ruiz tinha colocado o Braga em vantagem (44), mas Alan Júnior, de grande penalidade, colocou o jogo novamente igualado e só com muito suor, mesmo jogando com mais uma unidade desde os 65 minutos, é que a equipa de Carlos Carvalhal evitou o prolongamento.

Iuri Medeiros e Castro (12 e 26) ‘aqueceram’ as luvas de Serginho, mas o golo só chegou em cima do intervalo: Galeno temporizou na esquerda, Sequeira cruzou, Esgaio amorteceu de cabeça para um remate à meia volta de Abel Ruiz – o avançado espanhol, nos festejos, mostrou uma camisola do colega Moura, que se lesionou com gravidade esta semana.

O Trofense empatou pouco após o reinício, com Alan Júnior a converter uma grande penalidade que puniu uma falta de Al Musrati sobre o ponta-de-lança brasileiro.

Ricardo Horta, aos 67, e Galeno, aos 74, ameaçaram e, com mais perigo ainda, Paulinho (82). A oportunidade mais flagrante foi desperdiçada pelo novo internacional português aos 87: defronte da baliza, Paulinho permitiu uma enorme defesa do guardião que, no minuto seguinte, voltou a evidenciar-se ao parar um remate de Ricardo Horta.

E foi já no período de descontos que surgiu o golo que colocou o Sporting de Braga na fase seguinte, com Galeno, após tabela com Ricardo Horta, a rematar rasteiro (90+3).

Na resposta imediata, Keffel, num canto direto, quase traía Tiago Sá, que com uma defesa de recurso segurou a preciosa vantagem bracarense.

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio do Clube Desportivo Trofense, na Trofa.

Trofense – SC Braga, 1-2.

Ao intervalo: 0-1.

Marcadores:

0-1, Abel Ruiz, 44 minutos.

1-1, Alan Júnior, 50 (grande penalidade).

1-2, Galeno, 90+3.

Equipas:

– Trofense: Serginho, Edu, Mika, João Faria, Simão Martins, André Leão, Vasco Rocha, Bruno Almeida (Keffel, 69), João Paredes (matheus, 61), Yair (Valter Zacaria, 61) e Alan Júnior (Daniel Liberal, 79).

(Suplentes: Manu, Daniel Liberal, Benedito, Valter Zacaria, Matheus, Tito Junior e Keffel).

Treinador: António Barbosa.

– SC Braga: Tiago Sá, Esgaio, Bruno Viana, Tormena, Sequeira, Castro (João Novais, 75), Al Musrati (André Horta, 57), Iuri Medeiros (Schettine, 75), Galeno, Abel Ruiz (Ricardo Horta, 57) e Paulinho.

(Suplentes: Rogério, Raul Silva, João Novais, André Horta, Ricardo Horta, Schettine e Rodrigo Gomes).

Treinador: Carlos Carvalhal.

Árbitro: Fábio Melo (AF Porto).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Castro (18), André Leão (25 e 65), Yair (29), André Horta (62), Serginho (70). Cartão vermelho por acumulação de cartões amarelos para André Leão (65) e para o diretor técnico do Trofense, Hélder Sousa (90+5).

Assistência: Jogo realizado à porta fechada devido à pandemia de covid-19.

Carlos Carvalhal, em declarações na conferência de imprensa após a vitória frente ao Trofense (1-2), em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal:

«[Seriedade foi determinante?] «Antes de mais queria dedicar a vitória ao Moura. Não facilitámos absolutamente nada, não criámos uma cadência de oportunidades, como temos criado nos jogos anteriores, por causa da organização e agressividade do adversário, no bom sentido. Nada que tenha surpreendido, pois estávamos à espera disto do adversário, mas conseguimos abrir o caminho para o golo antes do intervalo. O valoroso adversário conseguiu fazer o 1-1 e com a expulsão conseguimos o resultado final justo, e por números justos. O adversário criou mais dificuldades que muitos ao longo da época.»

«[Temeu prolongamento?] «Não temi. Penso que acabaríamos por ganhar, pelo desequilíbrio de onze jogadores contra dez, e praticamente jogámos no último terço. Podíamos ter marcado em três flagrantes oportunidades antes do golo. Estes jogos de Taça são difíceis, basta ver as dificuldades que as equipas da Liga sofreram estes dias. É uma das boas equipas do Campeonato de Portugal e valoriza a nossa vitória»

António Barbosa, em declarações na conferência de imprensa após a derrota frente ao Sp. Braga (1-2), em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal:

[Estratégia para o jogo] «Jogámos olhos nos olhos porque sentimos que os jogadores tinham essa personalidade, fomos ao encontro daquilo que temos vindo a trabalhar. O adversário era fortíssimo e queríamos condicionar a estratégia deles, mas este é o nosso futuro e o nosso caminho.»

[Jogo seria diferente sem a expulsão?] «Provavelmente seria diferente, seguramente com onze seria mais fácil, mas temos de viver com isso. Fica a capacidade dos jogadores se reorganizarem e criarem situações de perigo contra uma equipa fortíssima.»

[Elogios de Carvalhal] «De realçar a gentileza de quem teve o mérito de subir paulatinamente na carreira e que valorizou o nosso trabalho. É a postura que precisamos no futebol português.»

Galeno desfaz a igualdade. Lance precioso do brasileiro: arranca da esquerda para o centro em finta, tabela com Ricardo Horta e bate colocado, desfazendo a igualdade e apurando o Braga para a próxima fase da Taça de Portugal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here