A judoca portuguesa Telma Monteiro, que arrebatou hoje a medalha de ouro na categoria de -57kg nos Europeus em Lisboa, apontou a sua força mental como o grande ‘trunfo’ que a levou a nova conquista.

Telma Monteiro conquistou hoje a medalha de ouro na categoria de -57 kg nos Europeus em Lisboa, ao vencer na final a eslovena Kaja Kajzer, por ‘ippon’.

“Foi um dia muito duro. Deixei tudo, deixei a vida. Para alguém me ganhar, tinha de deixar a vida também. Hoje, quando acordei de manhã, senti que ia fazer história. Quando meto uma coisa na cabeça, só paro até a fazer”, afirmou aos jornalistas, na zona mista, após a cerimónia de entrega das medalhas.

A atleta de 35 anos recordou a “preparação difícil”, após lesão num ombro, o que a condicionou fisicamente, mas acabou por tornar este um “dia perfeito”, ao triunfar em solo português, um “sonho que estava adiado”, pois falhou a presença nos Europeus organizados também em Lisboa, em 2008, por lesão.

“Parece fácil, mas é extremamente difícil. Se conquistasse uma medalha de prata ou de bronze, já seria histórico. Lembro-me de estar na meia-final e pensar que mesmo se perdesse, estariam todos orgulhosos de mim. Mas, eu não quero que estejam orgulhosos, quero ganhar. Foi esse pensamento, determinação, garra e irreverência que meti até ao fim”, contou.

Telma Monteiro mediu a sua vitória em “90% de psicológico”, que considera ser a sua “grande vantagem”, avisando: “Se calhar, eram melhores que eu fisicamente, mas psicologicamente é difícil”.

Antes da final, Telma tinha vencido a experiente austríaca Sabrina Filzmoser (‘waza-ari’), duas vezes campeã europeia e 31.ª do mundo, a belga Mina Libeer (‘ippon’), 48.ª, e a kosovar Nora Gjakova, quarta e a grande favorita em Lisboa, como mais bem classificada dos -57 kg na capital portuguesa.