Uma empresa israelita terá desenvolvido um “spyware” para o WhatsApp, que torna possível, com um telefonema, o acesso a todos os dados de um telemóvel. A aplicação recomenda que atualize o sistema.

Com um simples telefonema, é possível ativar a câmara e o microfone do telemóvel, ler os e-mails e mensagens, recolher os dados de localização ou o histórico. Um grupo de piratas informáticos conseguiu instalar, à distância, software de vigilância em telemóveis e outros dispositivos, a partir da exploração de uma grande vulnerabilidade na aplicação do WhatsApp.

O WhatsApp, pertencente ao Facebook, revelou que o ataque teve por alvo um “número selecionado” de utilizadores, e foi orquestrado por “um agente cibernético avançado”, conforme reporta a BBC.

O ataque foi planeado por uma empresa de segurança de Israel, NSO Group, segundo um relatório do Financial Times .

O NSO Group é uma empresa israelita, associada, no passado, a tráfico de “armas cibernéticas”. O negócio é parcialmente gerido por uma empresa de capital privado, sediada em Londres, a Novalpina Capital.

O principal software da NSO, o Pegasus, tem a capacidade de copiar dados pessoais de um dispositivo, com recurso ao microfone e à câmara, bem como às informações de localização.

Contudo, num comunicado, o grupo israelita posicionou-se: “A tecnologia da NSO é licenciada para agências governamentais autorizadas com o único objetivo de combater o crime e o terrorismo”.

“A empresa não opera o sistema e, após um processo rigoroso de licenciamento, a inteligência e a aplicação da lei determinam como usar a tecnologia para missões de segurança pública. Investigamos quaisquer acusações confiáveis ​de uso indevido e, se necessário for , agimos, mesmo que seja para desligar o sistema”, retratou-se a NSO, que frisou não estar, de forma alguma, “envolvida na operação ou identificação de alvos”.

Esta segunda-feira o WhatsApp pediu a todos os seus utilizadores (1,5 mil milhões de pessoas) para fazer as atualizações do software como forma de precaução adicional. O ataque foi, no entanto, descoberto pela primeira vez no início de maio.

Os invasores conseguiram furar o sistema através da função de chamada por voz, e ao fazer tocar o dispositivo de um alvo. Ainda que a chamada não chegasse a ser atendida, o software de vigilância seria instalado. Um facto igualmente alarmante é que a chamada geralmente desaparecia do registo, numa operação que não deixou rasto.

O WhatsApp relatou que a sua equipa de segurança foi a primeira a identificar a falha, no início deste mês, pelo que partilhou essa informação com grupos de direitos humanos, fornecedores de segurança selecionados e com o Departamento de Justiça dos EUA, .

“O ataque tem todas as características de uma empresa privada que trabalha com Governos para distribuir software que assume as funções dos sistemas operacionais da telefonia móvel”, divulgou a empresa, em comunicado aos jornalistas.

Uma ação dirigida, mas ainda sem alvos confirmados

O WhatsApp salientou que ainda é cedo para saber quantos utilizadores foram afetados pelo ataque, embora tenha acrescentado que as operações foram altamente direcionadas.

Amnistia Internacional, que foi alvo do Grupo NSO no passado, demonstrou-se preocupada com a vulnerabilidade do sistema, que mostra “o que há muito se achava ser possível fazer contra os grupos de direitos humanos”.

O Financial Times revela ainda que o vírus terá sido criado para atingir diretamente um advogado londrino – que é mantido sob anonimato pela publicação – que está neste momento a mover vários processos contra a NSO. Alguns dos seus clientes também eram alvos desse spyware: um grupo de jornalistas e ativistas mexicanos, um cidadão do Qatar e um ativista saudita exilado no Canadá.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here