Sete casos da variante de Manaus identificados em Portugal

covid coronavirus covid-19

O Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge identificou, este domingo, sete casos de covid-19 associados à variante do Brasil detetada na região de Manaus.

Em comunicado, o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) informa que, “através do Núcleo de Bioinformática do seu Departamento de Doenças Infeciosas, identificou os sete casos de covid-19 associados à variante do Brasil”, registada como 501Y.V3 (P.1).

Sem referir a zona onde os sete casos foram identificados, o INSA salienta que esta variante “primeiramente detetada no Brasil, em particular na região de Manaus (Amazónia), tem sido assinalada pelas autoridades de saúde mundiais como merecedora de especial vigilância dado o seu potencial de transmissão“.

Além disso, há “o facto de poder ser menos reconhecida por alguns dos anticorpos gerados no decurso de uma infeção”.

Estes primeiros casos tinham sido sinalizados como suspeitos pelos laboratórios UniLabs e Synlab, segundo o INSA, e “já foram reportados às Autoridades de Saúde, que já efetuaram as devidas diligências para o rápido rastreio de contactos” com vista à “interrupção de potenciais cadeias de transmissão”.

Em comunicado, a Synlab acrescenta que “detetou três casos” na passada terça-feira, dia 16, na região da Grande Lisboa.

Os primeiros dois casos da variante com origem no Brasil do novo coronavírus, que provoca a doença covid-19, foram detetados na região da grande Lisboa, no passado dia 10, pela UniLabs. Dois dias depois, o diretor-geral deste laboratório em Portugal revelou que tinham sido detetados mais casos suspeitos desta variante, sem precisar o número.

As amostras foram encaminhas para o INSA que, através da sequenciação genómica, confirmou este domingo serem casos de infeção associados à variante detetada na região de Manaus.

A identificação destes primeiros casos surge na véspera de uma nova reunião entre os líderes políticos e peritos no Infarmed, às 14.30 horas, “onde será apresentada, por parte do INSA, a nova abordagem de sinalização precoce de potenciais variantes genéticas que importa monitorizar”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here